Escrituração Contábil – Obrigatoriedade X Necessidade

A leitura e análise de balanços e outras informações financeiras oriundas da Contabilidade são necessidades básicas para todos os profissionais que se envolvem na gestão de empresas. Mais ainda, é uma necessidade dos empresários.

Trabalho com consultoria de apoio à gestão de empresas em assuntos que envolvem a sua economia há mais de 25 anos e observo que o assunto Contabilidade é tabu para muitos empresários.

Há uma confusão entre a obrigação legal de apresentar a escrituração para o fisco e a necessidade de manter a escrituração para gerar informações gerenciais importantes para a tomada de decisões na empresa.

A empresa pode ser uma Sociedade por Ações, pode ser uma Sociedade por Quotas de Responsabilidade Limita, pode ser uma Microempresa. Pode apurar os seus tributos federais (IR, CSSL) pelo regime de lucro real ou lucro presumido (mais utilizados). Pode ser optante do Simples Nacional. Ou seja, há diversas formas de a empresa se apresentar perante o mercado e o fisco.

As orientações, pelo que tenho percebido, são controversas. Há, entretanto, a predominância entre os empresários, do entendimento de que empresas optantes do Simples ou que utilizam o regime de Lucro Presumido, estão desobrigadas da escrituração contábil regular. Este tema é controverso. Veja os textos abaixo sobre este assunto.

Embora a responsabilidade técnica sobre a escrituração contábil e pela apresentação das informações financeiras dela extraídas seja de Contador habilitado, há uma gama de profissionais que trabalha nas empresas (administradores, economistas, gerentes, diretores, proprietários) que precisa utilizar as suas informações para embasar e complementar as suas análises.

A principal pessoa que recebe os efeitos desta interpretação (obritatoriedade ou não) é o empresário.

No meu entender, a disponibilidade de uma escrituração contábil (e de seus demonstrativos como o balanço, o demonstrativo de resultados, o fluxo de caixa), independentemente da obrigatoriedade legal ou não, é ferramenta indispensável na gestão da empresa.

O empresário precisa, para tomar decisões importantes, saber se a empresa está dando lucro ou não e qual o valor deste lucro ou prejuízo. Precisa saber sobre as suas necessidades e sobre a evolução do seu capital de giro. Sobre o seu endividamento, sobre o giro de seus ativos, sobre os seus custos e despesas. Precisa, principalmente, parâmetros seguros para plenejar o seu crescimento e a sua sobrevivência no mercado em que atua.

Sem uma escrituração contábil atualizada e bem elaborada, isso é quase impossível, já que a alternativa, em geral, é um emaranhado de planilhas. Os lançamentos nas planilhas não têm um componente de segurança que tem a escrituração contábil que é o método das partidas dobradas.

A mensagem que deixo aos empresários é a de que, independente de ser ou não ser obrigatória a escrituração e apresentação das demonstrações, há a necessidade desta importante ferramenta para dar segurança a toda a gama de informações relevantes de que a empresa precisa para orientar a sua sobrevivência e o seu crescimento.

Fale com o seu Contador a respeito. Estude sobre análise e interpretação de balanços. Peça ajuda ao seu Contador para entender melhor as informações contábeis da sua e de outras empresas. Leia os textos a seguir para melhorar o seu entendimento sobre a matéria:

Alfredo Bischoff

Alfredo Bischoff

Economista formado pela PUC-RS e Especialista em Gestão Empresarial pela UFRGS. Trabalha desde o início da década de 80 em consultoria e treinamento de gestão empresarial com focos nas áreas de finanças e comercial. Atualmente dedica-se a projetos de consultoria e treinamento para empresas comerciais em âmbito nacional. Leia mais...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>